Transporte

Enfim, Estado e consórcio fecham acordo para retomar a obra do VLT

Fonte: Repórter MT
2

O secretário de Cidades, Wilson Santos (PSDB), confirmou, nesta segunda-feira (26), que o Governo do Estado e o Consórcio VLT fecharam acordo para a retomada da obra do modal de transporte coletivo urbano.

As duas partes chegaram a um entendimento no último fim de semana e, segundo o secretário, a previsão é de que o Estado terá condições de implantar, em Cuiabá e Varzea Grande, "o VLT mais barato do país".

Inicialmente, o consórcio exigia R$ 1,2 bilhão para concluir a obra, orçada inicialmente em R$ 1,4 bilhão, dos quais já foram pagos R$ 1,06 bilhão.

No entanto, um estudo realizado por uma empresa de consultoria contratada pelo Governo apontou que seriam necessários R$ 602 milhões.

Wilson Santos explicou que o valor do quilômetro será menor do que os acordados para a implantação do mesmo sistema de transporte, por exemplo, no Rio de Janeiro – R$ 50 milhões – e em Goiânia – R$ 80 milhões.

O valor final acordado, no entanto, não foi revelado pelo secretário. Ele alegou que o acordo entre as partes precisa do aval da Justiça para ser homologado., considerando que a questão foi judicializada.

"Para que isso seja reconhecido, é necessário que todas as etapas sejam aceitas e ratificadas pela Justiça, que expedirá uma sentença, homologando o acordo entre as partes", disse. 

De qualquer forma, ele previu que a obra do modal seja retomada no começo de 2017.

O acordo

O secretário de Cidades observou que a negociação entre o Governo do Estado e o Consórcio VLT engloba três frentes.

A primeira é sobre a questão financeira, que Wilson classificou como “rentável e com número bem abaixo do que inicialmente se pedia”.

A segunda é sobre o sistema operacional e sobre o tempo de execução da obra, já que o acordo firmado no fim de semana é para a conclusão total do VLT, e não de parte dele.

“São 44 quilômetros de VLT – 22 km entre ida e vinda, entre Cuiabá e Várzea Grande. Nós estamos negociando por completo”, disse o secretário.

A terceira frente é sobre a questão judicial, uma vez que o contrato está judicializado desde 2014, quando a obra foi paralisada.

Wilson Santos informou ainda que, nos próximos dias, estará em Cuiabá, o diretor de implantação do VLT do Rio de Janeiro, José Piccolli Neto.

Como experiência nesse tipo de trabalho, segundo o secretário, ele virá colaborar no processo de execução da obra.

Eixos 

Pelo projeto inicial, o sistema de VLT em Cuiabá e Várzea Grande terá dois eixos: Aeroporto-CPA e Centro-Coxipó.

Os trilhos serão implantados nos canteiros centrais das avenidas João Ponce de Arruda e FEB, em Várzea Grande; XV de Novembro, Tenente-Coronel Duarte (Prainha), Historiador Rubens de Mendonça (do CPA) Escolástico e Fernando Corrêa da Costa, em Cuiabá.

No total, são 22 km de extensão.

Transporte

2 COMENTÁRIOS

  1. Uma pergunta: essas avenidas já são muito estreitas e de grande fluxo de veículos, sobretudo a Av. Fernando Correa, só o VLT FOR PASSAR NO CANTEIRO, POR ONDE PASSARÃO TODOS ESSES VEÍCULOS QUE TRAFEGAM POR ELA? VAI HAVER DESAPROPRIAÇÃO NAS LATERAIS?