Transporte

Com aporte de R$ 600 milhões, Wilson Santos prevê retomada do VLT em 90 dias

Fonte: Redação/O Documento
0
Views:
0

O Secretário Estadual de Cidades (Secid), Wilson Santos, afirmou na manhã deste sábado (25) que até o próximo dia 30 de junho será retomada as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Várzea Grande e Cuiabá. Nessa semana, ele conseguiu junto a Caixa Econômica Federal um empréstimo no valor de R$ 600 milhões para que o governo do Estado retome os trabalhos, interrompidos em julho de 2014.

Pelos cálculos do governo, o Estado já desembolsou mais de R$ 1 bilhão para a implantação do modal, que iniciou em 2011 no governo Silval Barbosa (PMDB) e parou em julho de 2014, com o fim da Copa do Mundo daquele ano no Brasil.

O VLT, uma das mais importantes obras do pacote para o Mundial, era projetado para estar em funcionamento durante o torneio internacional de futebol, com Cuiabá sediando quatro partidas. Mas os trabalhos travaram com o consórcio responsável abandonando a obra e exigindo do Estado mais verba para a sua conclusão.

Nomeado secretário da Secid desde o fim do ano passado, Wilson Santos afirmou que passos importantes foram dados essa semana para destravar o VLT. Segundo ele, o trabalho é muito complexo, com cinco ações judiciais no Ministério Público Federal (MPF) e centenas de desapropriações ainda a serem feitas em Várzea Grande e Cuiabá.

“Avançamos bem nessa questão do VLT. Foi uma semana importantíssima para nós. A liberação do recurso junto a Caixa Econômica nos dá esperança de que tudo caminha para dar certo. É muito trabalho. Até o fim deste semestre retomaremos a obra do VLT. Até dia 30 de junho, se der tudo certo, centenas de homens já estarão trabalhando nesta obra que é importante para Mato Grosso”, disse Santos.

O secretário da Secid ressalta que a retomada da obra do VLT necessita de muita segurança jurídica. Por isso, é preciso ter toda cautela para se chegar a um consenso com o consórcio, que cobra um valor alto para retomar os trabalhos. Wilson Santos não revela o montante cobrado pelo grupo de empresas para a retomada da obra, mas que está bem próximo de um acerto. “Estamos conversando”, finalizou Santos.

Transporte